Boletim | Março| nº 01/2020

Editorial

Você está recebendo a primeira Edição do nosso Boletim Eletrônico – ABRASOL INFORMA Trata-se de uma nova ferramenta que a ABRASOL passa a contar para aproximar os associados da Entidade. Neste primeiro editorial quero falar um pouco do planejamento que temos para 2020. Independente do momento difícil que vivemos, sob os efeitos do COVID-19, é importante manter nosso plano de ação que temos certeza será fundamental para que possamos contribuir com a retomada da atividade econômica do país.

Dividimos nossas ações em algumas frentes: comunicação, aumento de mercado, programa de certificação e aumento da base de associados. Na comunicação, investimos em um novo site, no próprio Boletim e na contratação de uma Assessoria de Imprensa, que cuidará do tema, bem como das Redes Sociais, Linkedin, Instagram e Facebook.

Outra preocupação é a base de associados. Para atrair um número maior de empresas, estamos ampliando nosso quadro de benefícios. Foram feitos vários convênios com prestadores de serviço, de forma a propiciar descontos significativos para quem quiser utilizar.

Iremos adotar uma ferramenta para pesquisar ofertas de licitações em todo o país. A ideia é facilitar o acesso das empresas associadas a esse tipo de informação, fundamental para que as empresas possam competir no maior número possível de frentes. Vamos coletar essa informação e disponibilizá-la a todos os associados.

Dentre as ações que estão em destaque teremos o curso de Ensino à Distância (EAD), CERTIFICASOL, com aulas ministradas por profissionais altamente capacitados, treinando assim os colaboradores que atuam no mercado de energia solar térmica. O programa acontecerá de forma voluntária, e abordará diversos escopos de qualificação como: a instalação dos sistemas de aquecimento solar térmico; dimensionamento dos sistemas; vendas técnicas e gestão financeira, entre outros.

Ressalto que na questão da gestão, precisamos fazer um trabalho bastante focado, pois muitas empresas quando percebem que estão em dificuldade não tem mais tempo de recuperar, principalmente agora, diante de toda essa crise. É preciso saber calcular a margem de contribuição, de lucro, ou seja, ter as rédeas da empresa.

Temos ainda um trabalho com os diversos municípios na busca de programas de incentivo, em todos os níveis de governo, para utilização de energia solar térmica. É o caso do PL 107 (ver matéria), no município de São Paulo. A mesma coisa está sendo feita em relação às Distribuidoras de Energia Elétrica. Todas precisam retornar ao incentivo ao  aquecimento solar. Nossa ideia é ter um bom relacionamento com elas, para que nos informem suas necessidades e assim possamos repassar essa informação para as empresas associadas.

Como podem perceber, são muitas ações e esta diretoria está altamente motivada para colocar todas em prática. Por enquanto recomendo que consultem nosso site e nossas redes sociais. Vamos trabalhar juntos para dar maior visibilidade para a ABRASOL e assim fortalecer nosso mercado.

Oscar de Mattos

Presidente

CERTIFICASOL investirá em ensino à distância

A missão do programa CERTIFICASOL, que está sendo desenvolvido pela ABRASOL, é promover o crescimento do mercado de energia solar térmica, por meio da capacitação e certificação dos profissionais do setor, que para serem certificados pelo programa deverão demostrar sua competência e manter altos padrões de qualidade, ética e conduta profissional.

O programa assegura ao mercado e a todos os envolvidos no setor de energia solar térmica que o profissional certificado está capacitado e possui os conhecimentos e habilidades necessários para realizar os trabalhos de acordo com a segmentação escolhida.

Na prática o curso garante benefícios ao profissional: aumento da renda anual em função da maior credibilidade e confiança do consumidor; vantagem competitiva; aumento da produtividade; aumento da lucratividade com maior capacitação financeira.

Em termos de mercado garante aumento da quantidade e qualificação de instaladores; incremento da qualidade e garantia dos serviços de instalação; maior economia de recursos em função de projetos e instalações mais adequadas e maior velocidade na implementação de projetos.

O curso será ministrado em uma plataforma de Ensino à Distância (EAD), com aulas ministradas por profissionais capacitados, com a aplicação de prova e emissão de certificado aos alunos que atingirem os critérios estabelecidos pelo programa.

A proposta é treinar, capacitar e certificar os profissionais que atuam no mercado de energia solar térmica. O programa acontecerá de forma voluntária, e abordará diversos escopos de qualificação como: a instalação dos sistemas de aquecimento solar térmico; dimensionamento dos sistemas de aquecimento solar térmico; vendas técnicas e gestão financeira entre outros.

Projeto de lei cria política de energia solar para o município de São Paulo

A ABRASOL vem trabalhando intensamente no apoio ao projeto de lei – PL 107/2019, proposto pelo vereador Eliseu Gabriel (PSB). O PL tem por objetivo  reduzir a emissão de poluentes e gases de efeito estufa, bem como diversificar a matriz energética do município, incentivando novas formas de economia. Para tanto, o projeto  inclui benefícios fiscais a quem fizer uso da energia solar.

O presidente Oscar de Mattos e a diretora executiva, Danielle Johann, já participaram de duas reuniões, nos meses de fevereiro e março, oportunidades em que puderam compartilhar o conhecimento sobre o setor com os vereadores que estão discutindo o PL. Um dos pontos principais da futura lei é a instituição de uma Política Municipal de Energia Solar na capital paulistana, o que permitiria diversificar a matriz energética do município incentivando novas formas de economia.

Para o vereador José Police Neto, que também faz a relatoria deste projeto na comissão, a capital paulista tem um grande potencial para explorar novas fontes de energia, especialmente a solar, o que deveria ser incentivado. “Quanto mais criarmos políticas públicas para o uso responsável de energia, vamos de encontro ao que a COP 25 (Conferência Internacional sobre Mudança Climática das Nações Unidas) tem anunciado, que é a busca de soluções que não prejudiquem ou poluam”, avaliou Police.

Para ler a íntegra do projeto – https://bit.ly/3duhcbV

ABRASOL pleiteia inclusão da energia solar térmica no Projeto Pró-Sol

A ABRASOL recebeu no último dia 16 de março retorno do gabinete da Casa Civil, sobre o envio de ofício para o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, parabenizando o governo Federal pela criação do Projeto Pró-Sol, um programa de incentivo às novas tecnologias baseadas na eficiência de energia. “Nossos esforços já estão rendendo resultados, e recebemos retorno diretamente do gabinete da Casa Civil, que já encaminhou o assunto para o Ministério de Minas e Energia”, ressalta o presidente Oscar de Mattos

O documento enfatiza a necessidade de inclusão no programa dos Sistemas Solares para Aquecimento de Água, ressaltando que a tecnologia dos aquecedores solares de água desloca o consumo de energia elétrica no horário de pico, contribuindo para a segurança energética do País, e engloba as aplicações nos setores residencial de baixa até alta renda, comercial, industrial e serviços nas esferas pública e privada e ainda gera mais de 40.000 empregos diretos e indiretos no país, com grande potencial de crescimento.

A principal tecnologia utilizada no Brasil para aquecimento de água no setor residencial são os chuveiros elétricos, que sobrecarregam o Sistema Elétrico Brasileiro, especialmente no horário de ponta (entre às 18h e as 21h), representando cerca de 6% de todo o consumo elétrico brasileiro, segundo cálculos realizados pela ABRASOL a partir dos dados disponíveis no Balanço Energético Nacional (EPE, 2019) e da Pesquisa de posse de hábitos de uso e consumo do setor residencial (Eletrobrás, 2007).

Com relação ao setor industrial, em 2008 a indústria representava cerca de 25% do PIB, em termos de comparação, no ano de 2018 a indústria representou apenas 11,8% do PIB, e se, retornarmos aos patamares de produção anteriores, não haverá energia elétrica disponível para atender a demanda. Sendo assim, mais que uma alternativa, a Energia Solar Térmica constitui-se em uma importante e fundamental solução para garantir a segurança energética do País.

Associado ABRASOL tem descontos especiais

Buscando oferecer o maior número de benefícios possíveis para seus associados, a ABRASOL firmou uma série de parcerias. Através delas, as empresas conseguem descontos na adesão aos serviços e produtos. Dentre os parceiros temos as Universidades Mackenzie e São Judas, a escola de idiomas Fisk e a empresa de aluguel de automóveis Movida Rent a Car. “Estamos negociando outras parcerias de acordo com as demandas que recebemos”, explica a diretora executiva Danielle Johann.

Confiram os descontos que abaixo:

 

Mackenzie

Pós-graduação – 10%

Campus São Paulo

  • 25% Educação Infantil
  • 20% ensino fundamental
  • 15% ensino médio
  • 15 % curso de línguas

Campus Alphaville

  • 30% educação infantil
  • 25% ensino fundamental
  • 20% ensino médio

Brasília

  • 15% educação infantil/ensino fundamental /ensino médio

São Judas

  • Tecnólogo – 50%
  • Bacharelado e licenciatura – 50%
  • Pós-Graduação – 30%
  • Cursos de curta duração – 10%

Fisk

  • 10 % de desconto em turmas regulares e promocionais
  • 20% de desconto em turmas personalizadas

Movida Rent a Car

  • 8% de desconto do valor da diária do site

O associado que tiver interesse, basta entrar em contato pelo e-mail adm@abrasol.org.br para obter mais informações.

Solar Payback será implantado em planta industrial

O Projeto internacional Solar Payback foi renovado para o biênio 2020 e 2021. Criado para incentivar o uso da fonte solar térmica para processos industriais (SHIP – Solar Heat for Industrial Processes) em quatro países parceiros – Brasil, México, África do Sul e Índia, o projeto tem como instituições de referência, a AHK (Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha) e a ABRASOL (Associação Brasileira de Energia Solar Térmica),

As duas entidades trabalham buscando o aumento do uso de energia solar térmica em processos industriais, inclusive, consta do projeto, a implantação do sistema em uma planta industrial para temperaturas médias. De acordo com o presidente da ABRASOL, Oscar de Mattos, foram feitos estudos em algumas unidades, na busca da opção que melhor atenda às necessidades técnicas. “Já temos uma empresa vencedora, estamos agora realizando o detalhamento dessa implantação.”

Como parte da iniciativa “International Climate Initiative (IKI)”, o projeto é apoiado pelo Ministro Federal do Meio-Ambiente, Conservação da Natureza, Construção e Segurança Nuclear da Alemanha (BMU) baseado numa decisão tomada pelo parlamento da Alemanha. O projeto visa aumentar a sensibilização para o potencial técnico e econômico das tecnologias SHIP, fornecendo informações transparentes sobre os custos e benefícios do SHIP e apoiando a aplicação local dos sistemas de aquecimento solar.

Reunião CIESP/ABRASOL

A ABRASOL realizou no dia 27 de janeiro, reunião com o CIESP. Na oportunidade foi feita uma apresentação sobre a entidade e suas ações, e foram mapeados alguns pontos para possível parceria e integração ABRASOL-CIESP, como a participação em reuniões no Senai Indaiatuba, criação de projeto piloto para aplicação de energia solar térmica em um setor industrial, e o estudo de um projeto de “produção mais limpa”, com ações ambientais e de eficiência energética.

Participaram da reunião: Rafael Cervone (vice-presidente do Ciesp) , Sergio Ojima (gerente de infraestutura do Ciesp), Oscar de Mattos (presidente da Abrasol) , Fernanda Strumendo (vice-presidente de marketing da Abrasol) , Marco Montalvão (vice-presidente de operações financeiras da Abrasol) e Danielle Johann (diretora executiva da Abrasol).

Reunião Senai Indaiatuba

No dia 14 de fevereiro o presidente da ABRASOL, Oscar de Mattos, o vice-presidente Institucional, Luiz Antonio dos Santos Pinto e a diretora executiva, Danielle Johann, visitaram o Senai Indaiatuba.

A escola é referência quando se trata de energias renováveis e está disponibilizando uma área para que a Associação possa incluir também os aquecedores solares térmicos junto às demais tecnologias renováveis. “Temos a certeza que esta parceria renderá bons frutos ao nosso setor, com pesquisas dedicadas e avanços tecnológicos, nos próximos dias enviaremos os equipamentos de energia solar térmica em nome da Abrasol”, comenta Mattos.

A verdade da energia solar

Você sabia que nas contas de energia todos pagamos por uma somatória de custos, sendo que um dos mais expressivos é o custo do transporte de energia pela rede? Infelizmente muita gente não sabe como funciona esse processo e acaba tendo uma ideia errada de algumas ações que estão sendo tomadas pelo governo, como a consulta pública da Aneel para a revisão das regras de geração distribuída.

Na verdade não se trata de uma taxação do “SOL”, como muitos disseram. O que se pretende rever é a cobrança feita para o transporte de energia. Hoje quando um usuário de energia solar fotovoltaica vende seu excedente para a concessionária, é ela quem arca com os custos, e os repassa na conta de energia elétrica de todos os usuários.

O que a consulta pública pretende é que o custo fique com o beneficiário que vende essa energia e com isso acabar com esse rateio. É importante que se saiba que o setor de energias renováveis já conta com diversas isenções de impostos, o que é um grande incentivo para o crescimento desse mercado que envolve a energia eólica, a soltar fotovoltaica e a energia solar térmica.

Vale ressaltar que a energia solar térmica, que tem tecnologia em sua grande maioria nacional e possui eficiência energética 4 vezes maior que a fotovoltaica, gera cerca de 40.000 empregos diretos e indiretos no Brasil, e é acessível à grande maioria da população. Logo, seu uso deveria ser mais incentivado, pois promove uma redução expressiva nas contas de energia elétrica, aumentando a renda das famílias, além de que seu uso reduz em muito o consumo de energia no horário de pico, o que é muito bom para o setor elétrico, podendo inclusive postergar investimentos em geração e transmissão de energia elétrica.

O que precisamos é que a opinião pública seja esclarecida sobre isto, e que os governantes também sejam transparentes nessa divulgação. Com a crise que o país está passando, a energia solar térmica pode e deve ser valorizada como uma importante aliada na recuperação econômica que vamos precisar.

Por: Amaurício Gomes Lúcio

Past Presidente